preencha o campo busca
ok
preencha o campo login preencha o campo senha
ok
< voltar

Artigos

Hora de votar, hora de exigir, hora de escolher

Florencia Ferrer
06/2010

B2B

Poucas coisas são mais fáceis na vida que reclamar, que se sentir vitima, que culpar aos outros de nossos problemas. Temas amplamente discutidos pela psicanálise, mas pouco pela política.

Quem faz psicanálise sabe que quando algo nos incomoda muito no outro, se deve provavelmente a que essa atitude ou comportamento, deve estar em nos e de fato nos incomoda muito saber que somos assim. Mais fácil que provocar uma mudança em nos é  achar que o problema é do outro.

Acredito que isto também acontece na vida política. É mais fácil achar que o mundo externo e duro e ruim, que todos os políticos são iguais, que todos eles são corruptos, que é mais fácil votar branco ou nulo (como sugeriram vários emails que recebi ultimamente) que ter uma escolha responsável.

Escolher sempre é difícil, já que depois da escolha temos que arcar com vários processos:

1) Escolher uma coisa necessariamente supõe não ter escolhido outras, por isto, estamos perdendo opções, perdemos o que não escolhemos

2) Escolher supõe fechar portas para o que não foi escolhido

3) Escolher supõe nos fazermos responsáveis por uma decisão, sendo que somos os únicos responsáveis por ela

4) Escolher supõe nos reconhecermos como responsáveis por nossas decisões, o que supõe certa solidão na decisão

5) Escolher supõe usar um tempo que podemos dedicar a outra coisa, dificilmente escolhas difíceis  são imediatas, elas exigem tempo e dedicação

6) Escolher supõe sermos responsáveis por esta escolha

Escolher um prefeito ou um vereador é uma decisão que vai impactar na nossa vida e na de nossos filhos. Quanto tempo destinamos a pesquisar nossa decisão? Quanto tempo destinamos a estudar a vida, a obra, as realizações dos candidatos? Conheço muita gente que é capaz de dedicar mais tempo em escolher um carro ou uma roupa que em escolher seu voto para a próxima eleição, mas depois, sem remorso nenhum pode continuar dizendo que todos os políticos são iguais. Mas o que aconteceu foi que ele ou eles não fizeram uma escolha responsável, e como conseqüência podemos ter uma pessoa não preparada no lugar de comando de nossa cidade. Mas definitivamente, não todos os políticos são iguais.Os políticos e  os gestores públicos são diferentes. A grande maioria deles esta ou quer estar na gestão publica para mudar nosso mundo, para fazê-lo melhor, para prestar mais e melhores serviços aos cidadãos, para dar uma função cada vez mais nobre ao setor publico. Há uma pequena minoria que quer entrar ao setor publico em seu próprio beneficio, e que esta disposta a ser corrompida. Mas esta minoria somente será extirpada do setor publico se todos nos formos conscientes na hora de votar, se usarmos o tempo que a decisão merece para pesquisar, para não basear nosso voto na publicidade eleitoral, que é publicidade ao fim, e por isto carece de objetividade. Votar é uma das decisões mais serias de nossa vida: escolher a quem delegamos o poder de gerenciar parte considerável de nossa renda, transferida para outros em forma de impostos. É este voto pode ser o responsável por mudar nosso mundo, ajudando a quem decide abrir mão de somente ter uma vida focada nas próprias realizações para ter uma vida pública, ao serviço dos outros. Estes são a maior parte dos políticos e dos gestores, pessoas que escolheram a tarefa nobre de trabalhar pelos outros. A mídia não nos ajuda muito neste tema já que os maus gestores vendem mais jornais que os bons, por isto aparecem com mais freqüência nas noticias.  Mas a decisão é nossa: somos os verdadeiros responsáveis, com nosso voto pelos rumos do governo e do setor publico. Exerçamos com responsabilidade esta função.

topo ^

Todos os direitos reservados a Florencia Ferrer ©2011